Outubro Rosa: prevenção primária, detecção precoce e mamografia
11 de outubro de 2019
Defesa de Doutorado – Dr. Rodrigo Antonio Brant
11 de novembro de 2019

Tecnologia cria retina artificial capaz de recuperar a visão

Reprodução do artigo de Erich Allende
Leia mais https://israelnoticias.com/salud/tecnologia-devuelve-retina-ciegos/

Yael Hanein, diretor do Centro de Nanociência, Nanotecnologia e Nanomedicina do Instituto Universitário de Tel Aviv, em Israel, apresentou recentemente os resultados da pesquisa nos últimos dez anos em seu laboratório para criar uma retina artificial capaz de substituir a ação dos fotorreceptores olho natural, quando são destruídos pela Degeneração Macular Relacionada à idade (DMRI).
Esta pesquisa foi apresentada no Dia Internacional de Estudos Organizados em Londres pelo Solve for X, um projeto de engajamento da comunidade lançado pelo Google para incentivar a colaboração e promover projetos de inovação para enfrentar os principais desafios científicos com tecnologias de ponta.

A DMRI, degeneração macular relacionada à idade, é uma doença causada pela deterioração progressiva da mácula, a parte central da retina, causando comprometimento visual a partir de 50 anos e, mais frequentemente, após 65 anos. Com o aumento da longevidade nos países desenvolvidos, cada vez mais pessoas sofrem dessa doença, o que prejudica seriamente ou totalmente as habilidades de leitura, escrita e reconhecimento facial.

O sistema visual consiste essencialmente na capacidade do nosso cérebro de receber e interpretar informações visuais. Biologicamente, baseia-se na função de células nervosas sensíveis aos fotorreceptores que recebem raios de luz e os convertem em sinais elétricos transmitidos ao cérebro através do nervo óptico. São esses fotorreceptores sujeitos a degeneração quando o paciente sofre de DMRI.
O objetivo da retina artificial é realmente substituir esses fotorreceptores destruídos por um dispositivo que imita o sistema natural que percebe informações visuais, capaz de transferir sinais elétricos no cérebro. “Os protótipos foram desenvolvidos e testados muito em laboratório, mas eram muito grandes e volumosos para uso cirúrgico”, disse ele. “O desafio é desenvolver um compacto que possa ser inserido precisamente no olho e colocado na retina”.

Para fazer isso, os pesquisadores do laboratório do professor Hanein usam nanotubos de carbono nos quais componentes fotossensíveis são introduzidos. Integrados a um polímero biocompatível, esses nanotubos podem gerar o campo elétrico de estimulação retiniana necessário. “Tubos de nano-carbono são ideais para esta aplicação”, diz ele. “Eles se ligam ao tecido biológico, quase como um velcro natural e fantástico, com dispositivos eletroquímicos que podem ser usados ​​como eletrodos, tanto para registro quanto para estimulação. Recentemente, demonstramos essa abordagem usando um novo polímero condutor depositado na interface do eletrodo. Em seguida, uma retina cega é colocada na interface. Quando a direção da luz entra de uma maneira muito específica, a retina pode ver. Ainda temos que desenvolver um grande número de detalhes importantes, mas já mostramos que funciona e que podemos estimular e restaurar as informações visuais da retina em um sistema essencialmente cego ”, afirmou o professor Hanein, que conclui: “O verdadeiro desafio não é apenas prolongar a vida, mas garantir que as pessoas continuem vivendo felizes, saudáveis ​​e independentes”.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0